sexta-feira, 18 de março de 2016

DEUS NOS OUVE: UM MILAGRE DA ADOÇÃO ESPIRITUAL

O post de hoje é a tradução de um lindo testemunho da Amy Brooks. Se quiser, pode ler o original aqui: http://prayerwinechocolate.com/god-hears-us-a-spiritual-adoption-miracle-free-printable/

Meus nervos estavam à flor da pele quando eu estacionei perto da clínica do Planned Parenthood (PP). Quando desci do carro junto com meu filho de três anos, fiz questão de pegar alguns terços. Haviam me dito para ter os terços em mãos, para que o pessoal do PP não pensasse que eu estava lá para uma consulta... o que teria sido, no mínimo, meio estranho. 

Eu senti como se estivesse entrando num campo de batalha espiritual. 

Deus ama quando falamos com Ele. As orações são importantes e fazem a diferença. 

Deixa eu começar do início. Essa é uma história verdadeira de oração atendida. E quando eu falo de oração, significa tanto o tipo formal como o tipo informal. Ambos os tipos foram respondidos para mim esse ano de uma maneira incrível! Eu sinto que preciso contar para o mundo inteiro (ou qualquer um que quiser ouvir)! 

Ano passado comecei a fazer algumas orações pelas mulheres que estavam considerando abortar. Quando me deitava para dormir a noite, eu pedia a Deus que desse a essas mulheres esperança e pessoas que pudesse apoiá-las. Eu pedia a Deus para ajuda-las a não terem medo e desejarem a vida para seus filhos não nascidos. 

Então um dia eu estava subindo as escadas com um monte de roupa para lavar e um pensamento me ocorreu. “Eu não amo essas mulheres o quanto Deus as ama... como minhas orações podem ajuda-las?” 

Pouco tempo depois, eu achei a Oração de Adoção Espiritual. Eu a imprimi. Meu marido e eu concordamos em adotar uma menina e dar o nome a ela que há muitos anos gostaríamos de ter dado a uma filha. Não é um nome popular e nós hesitamos em compartilhá-lo. Esse post será a primeira vez que permitimos que nosso nome favorito para uma menina se torne público. 

Nós demos a ela o nome de Jaina Therese. 

O primeiro dia que rezamos por Jaina foi dia 7 de maio de 2015. 

Nesse meio tempo, falamos para todo mundo que estávamos esperando adotar um recém-nascido. Nós não temos o dinheiro dessa vez para adotar através de uma agencia, mas se alguém conhece alguém que possa nos conectar com uma jovem mulher que gostaria de fazer um plano de adoção, poderíamos fazer uma adoção particular. Temos um excelente advogado de adoção. Nós diremos a todos que conhecemos e pediremos que eles falem com todos que conhecem. 

Mas, não tivemos sorte. 

Não conseguimos fazer os contatos. Minha mente e coração voltaram para as mulheres que se encontram grávidas e decidem terminar com a gravidez. Eu comecei a pensar se eu ficasse em frente a uma clínica de aborto com um cartaz dizendo: Gravidez não planejada? Nós queremos adotar, se poderia inspirar alguma mulher a considerar a adoção e escolher a vida. Até aquele ponto da minha vida, eu nunca havia ficado fora de uma clínica de aborto ou da Planned Parenthood para rezar ou protestar. Eu sempre foi a favor da vida em meu coração, mas nunca nem havia visto uma clínica de aborto. 

Comecei a fazer alguma pesquisa. Eu queria saber se algum grupo Pró-Vida ficava em frente da Planned Parenthood que fica a 10 minutos da minha casa. Eu certamente não iria sozinha. Eu descobri que havia um grupo pequeno que rezava às sextas-feiras. Eu fui numa loja e comprei uma cartolina. Peguei uma canetinha e escrevi: Gravidez não planejada? Nós queremos adotar. O cartaz ficou feio. 

Mas mesmo assim planejei ir. E em uma manhã de agosto, eu decidi que aquele era o dia. Meu filho dormi até mais tarde (o que nunca acontecia). Eu peguei um pouco de cereal e o vesti. E lá fomos nós. Eu quis ter certeza que não desencontraria das pessoas que rezavam o terço. Meu medo era que quando elas acabassem, elas fossem embora e eu não teria a chance de ficar lá com meu cartaz. 

Minha esperança era mais de salvar uma vida do que achar um bebê aquele dia. Meus instintos e meu coração me diziam que as mulheres que vão a consultas para abortar realmente não queriam estar lá. 

Eu fiz questão de levar terços, porque me disseram que o pessoal de lá poderia pensar que eu estava lá para uma consulta e começar a me levar para dentro do prédio. Isso seria muito estranho! 

Eu estava tão nervosa quando cheguei lá. Eu peguei meus terços, tirei meu filho de seu cadeirão e meu cartaz do porta-malas. Eu senti que estava entrando em um campo de batalha espiritual. 

Um megafone e um pirulito 

Logo depois que eu cheguei, uma mulher começou a falar num megafone. Ela estava dizendo: “temos alguém aqui que irá adotar seu filho”. Ela disse outras coisas também, mas eu estava pegando meu filho pelo braço e bruscamente indo embora. Eu me sentia tão desconfortável e pensava, “Um megafone? Mesmo? Quem irá responder a um megaphone? Deve haver uma maneira melhor.” 

Mary era a mulher no megafone. Uma vez que ela terminou de implorar para a menina não entrar na clínica, eu voltei para falar com ela. Eu a questionei sobre a tática do megafone. Outra mulher que estava quieta o tempo todo com um par de terços entrou na conversa. 

“Às vezes essas meninas estão rezando por um sinal no caminho até aqui. Nós podemos ser o sinal que elas pediram.” 

Conforme conversávamos, uma coisa inesperada aconteceu. 

A jovem à qual Mary estava implorando com o megafone saiu da clínica com sua mãe. Elas caminharam em nossa direção. E continuaram a vir em nossa direção. Então, nós quatro nos abraçamos (Mary, “Anne”, sua mãe e eu). Começamos a chorar. Foi um momento incrível. 

Depois daquele abraço inicial, a mãe de “Anne” disse: “ela precisa de um lugar para ficar.” Mary imediatamente pegou seu celular e começou a fazer ligações. Eu me apresentei. Perguntei a “Anne” de onde ela era. Ela me disse e eu respondi: “É realmente muito longe, por que você veio até aqui?” 

Ela respondeu: “a clínica perto da minha casa só faz abortos até 13 semanas e 6 dias, e eu estou com 13 semanas e 8 dias” – ou algo parecido. Eu sei que ela disse 13 semanas e então que os dias eram mais do que 7 – então eu lembro ter descoberto que ela estava em sua 14ª semana de gestação

Continuei conversando com a “Anne” e o tempo todo meu filho ficava dizendo: “Mãe, mãe, mãe”. Em um momento, eu o peguei no colo e continuei conversando com a “Anne” e sua mãe. Meu filho, ainda falando Mãe repetidamente, moveu meu rosto com suas mãos para que eu olhasse para ele. Ele disse: “Eu quero ir para uma A Baby´s Breath.” Eu respondi: “Por que você quer ir para A Baby´s Breath – porque eles tem pirulitos?” Ele disse: “SIM!!” 

Então olhei para a “Anne.” Ela abriu sua bolsa e pegou dois pirulitos. Um para meu filho e outro para ela. Foi um momento incrível e eu estava sorrindo de orelha a orelha e agradecendo a ela. 

Dois dias depois estou varrendo o chão da minha cozinha. Eu penso, “Anne” estava com cerca de 14 semanas de gestação, eu imagino há quantas semanas atrás nós começamos a rezar a Oração de Adoção Espiritual. Então eu contei. 

Exatamente 14 semanas e um dia antes de eu conhecer “Anne” era 7 de maio – o dia que começamos a rezar a Oração de Adoção Espiritual. Minha boca ficou aberta, eu fiquei arrepiada e provavelmente disse “uau” mais de uma vez. 

Seria esse o bebê que nós adotamos espiritualmente? A “Anne” estaria grávida de uma menina? Será que ela colocaria o nome de Jaina? 

Meu marido, filho e eu continuamos a rezar a Oração de Adoção Espiritual todas as noites depois da oração de ação de graças antes das refeições. 

Avance cinco meses 

No fim de janeiro comecei a pensar como “Anne” estaria e se Mary ainda estava em contato com ela. Eu liguei para Mary e perguntei. Mary disse que “Anne” estava ótima. Ela também me disse: “É uma menina, você sabia que é uma menina?” 

Nossa. Veja isso. Nós estávamos rezando por uma menina – mas ou é menino ou menina, então poderia ser coincidência, certo? 

Eu lembrei a Mary sobre a Oração de Adoção Espiritual e como nós estávamos rezando por uma menina e que nós havíamos dado um nome a ela. 

Aquela noite no jantar eu contei ao Matt que havia conversado com a Mary. Ela disse que “Anne” está bem e que está grávida de uma menina. Então disse ao Matt: “Fico pensando se ela dará o nome de Jaina.” 

O texto que fez Mary fazer uma dupla checagem 

Cerca de uma semana depois, Mary checou como “Anne” estava através de uma mensagem de texto. Depois de alguns dias, “Anne” respondeu. No texto, “Anne” agradecia a Mary por estar no lugar certo na hora certa. 

Ela também disse: “Mal posso esperar para a minha filha J-A-N-A nascer.” 

Mary checou o texto novamente. De quem era mesmo? Realmente dizia aquele nome??? 

Ela me ligou para contar. 

Eu não posso explicar como me senti. Eu pensei: “bem sim, esse é o seu nome” e “UAU.UAU.UAU.” simultaneamente. 

Jana nasceu saudável dia 15 de fevereiro de 2016. Mary e eu estamos esperando poder conhece-la e segurá-la e contar para “Anne” essa história. 

Eu estou tão grata e humilde que o Senhor permitiu que tivesse essa experiência. Eu tenho certeza que Ele me deu essa experiência sabendo que eu contaria para todos que quisessem ouvi-la e eu irei advogar e apelar para que você espiritualmente adote uma bebê não nascido. Essa oração funciona. Essa oração salva vidas. Essa oração dá esperança a uma mãe. Você se juntará a mim e rezará por um bebê não nascido? A incrivelmente talentosa Meg Florkwoski criou esse versão para impressão. Eu te encorajo a imprimi-la, dar um nome para o bebê e coloca-la em sua geladeira. Eu adoraria se você comentasse abaixo se você escolheu adotar um menino ou uma menina? Que nome você escolheu?

Segue aqui a oração:

photo credit: <a href="http://www.flickr.com/photos/95831528@N04/23548851452">sesión newborn Ian - Sheila&Jony</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.0/">(license)</a>

Um comentário:

  1. Prezada Flávia. É com imensa satisfação que li a sua história. Prazer maior em conhecer pessoas especiais como você e sua família.
    Hoje 27/05/2016 estou adotando João e Maria e peço a Deus que os proteja onde estiver e que eu possa realizar meu desejo de conhecê-los e ao rezar livrá-los de todo perigo.
    Te contarei ao final de 9 meses.
    Um forte bjs
    Cliviana Roberta Coutinho

    ResponderExcluir