segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

ADÃO E EVA TINHAM UMBIGO?


Essa e outras questões levantadas por adolescentes, foram compiladas num livro de Mathew Pinto, chamado “Did Adam and Eve have belly buttons?” e respondidas de acordo com a doutrina católica. No post de hoje, colocarei algumas dessas questões muito interessantes para quem lida com jovens. Não é uma tradução literal do livro e possui alguns acréscimos feitos por mim. 

A teoria do Big Bang não explica a existência do mundo sem um Criador? 

Não, porque mesmo que a teoria do Big Bang seja verdadeira, ela não explica de onde a matéria que causou o Big Bang veio. E mesmo que você aceite, como alguns cientistas, que antes do Big Bang que iniciou o nosso universo, existia um número infinito de Big Bangs e Big Collapses ou universos anteriores, explodindo e se chocando, você ainda tem o mesmo problema. De onde essas coisas que os Big Bangs foram feitos vieram? 

Assim, já que o universo não explica sua própria existência, a explicação deve vir de algo a mais. E esse algo a mais só pode ser algo – na verdade, Alguém – que tem a existência em si mesmo, ou seja, Deus.

Se o sol e a lua marcam os dias e só foram criados no 4º dia, como eram definidos os primeiros dias?

Essa pergunta mostra um dos problemas de aceitar as histórias do Genesis como se fosse uma história completa e literal sobre a criação do mundo. Claro que algumas partes do Gênesis são históricas, como a existência de Abraão. Mas o catolicismo nos permite interpretar outras partes figurativamente, desde que nossa interpretação não contradiga outras doutrinas católicas.

Não precisamos presumir que as narrativas dos primeiros capítulos do Gênesis são estritamente históricos ou históricos em cada detalhe, para crer que houve uma Criação e a Queda do Humanidade, por exemplo. Quando pensamos no autor do Gênesis expressando a criação do mundo com licença poética, essa pergunta desaparece. 

De acordo com o primeiro capítulo do Gênesis, Deus criou e distinguiu a luz da escuridão no “primeiro dia”. Esse “dia”, entretanto, não é literalmente um período de 24 horas, mas uma forma poética de expressar que Deus criou as coisas em estágios, de uma forma ordenada, colocando cada coisa em seu devido lugar. Primeiro veio a luz, depois ele criou os lugares para as coisas, como o céu; separou a terra da água; encheu esses lugares com coisas, primeiro plantas na terra, depois o sol e a lua no céu, depois criaturas marinhas e pássaros. No último dia, criou os animais terrestres e por último, o ser humano.

Como o autor do Gênesis descreve, Deus partiu das criaturas mais básicas para a mais complexa, o ser humano – sua imagem e semelhança. O ser humano é o “resumo” da Criação, pois possui a matéria, como os minerais, a vida, como os vegetais, a inteligência, como os animais e a alma como os anjos.

Assim, a verdade histórica da criação narrada em Gênesis é uma coisa – Deus realmente criou o mundo e o ser humano. Porém, o quanto essa verdade é contata poeticamente, é outra coisa.

Adão e Eva tinham umbigo?

Por mais engraçada que essa pergunta possa parecer, ela é muito inteligente. Significa perguntar: “Se Deus criou diretamente Adão e Eva, eles não deveriam ter umbigos. Mas se eles evoluíram dos primatas, então eles teriam umbigo”.

Francamente ninguém sabe se Adão e Eva tinham umbigo. A Igreja não fala nada sobre isso porque ela não fala oficialmente de como ocorreu a criação. A Igreja está preocupada principalmente no porque a criação ocorreu e em quais implicações de nossa criação.

Deus pode ter criado Adão e Eva com umbigos, da mesma forma que os criou já adultos e não como crianças. Tem gente que afirma que eles tinham umbigos, porque Jesus é a considerado o “segundo Adão”, que redimiu toda a humanidade. Assim, como Jesus teve umbigo, para ser semelhante a Adão, este também deve ter tido umbigo...

Para mim parece que ou você acredita em Deus ou você acredita na teoria da evolução. Como é possível crer nos dois?

Acreditando que Deus usou a evolução como sua maneira de formar os seres humanos. Nesse sentido, você pode dizer que a única maneira que um católico pode acreditar na evolução é também acreditar na criação.

Quando as pessoas opõem a criação com a evolução, normalmente estão considerando a evolução como simples acaso e a criação como Deus literalmente formando o homem do pó e soprando a vida em suas narinas. Obviamente, considerando dessa maneira, criação e evolução não podem as duas serem verdadeiras. Mas se a evolução for considerada como um processo designado por Deus e a criação como um simples ato de Deus trazer o ser humano à existência, então não precisa haver conflito. Assim, não precisa ser criação ou evolução; podem ser ambas.

Existem, todavia, algumas afirmações, que são necessárias para um católico aceitar a teoria evolução. São elas:

1) Todas as coisas foram criadas por um Deus de amor

2) O ser humano é criado à imagem de Deus, o que significa, entre outras coisas, que ele é um ser espiritual, com os poderes de ter consciência de si mesmo e fazer escolhas livremente

3) Mesmo se o corpo do ser humano evoluiu, Deus ainda criou o ser humano porque Deus criou o processo de evolução e sua providência o conduziu para nascer a raça humana

4) Não importa a origem do corpo do ser humano, sua alma é uma criação especial de Deus, não o resultado de um processo de evolução. Isso acontece porque o espírito, ao contrário da matéria, é impossível de evoluir, já que não possui partes para evoluir de uma coisa para outra

5) Nós todos descendemos de um mesmo casal de pais

6) Nossos pais originais foram criados num estado de felicidade

7) Sua obediência foi testada e eles transgrediram a lei divina ao serem tentados pelo demônio

8) Eles perderam os dons sobrenaturais dados por Deus à raça humana

9) Eles transmitiram o pecado original para toda a humanidade

10) A eles foi prometido um redentor

Desde que as afirmações acima sejam aceitas, um católico pode adotar a teoria da evolução. Porém, ninguém é obrigado a aceitar essa teoria, se achar que não há evidencias suficientes. Qualquer católico pode aceitar que o Gênesis é uma narração literal, se ele quiser.

photo credit: jimforest <a href="http://www.flickr.com/photos/78953420@N00/12309449573">Adem & Eve: Rijksmuseum Amsterdam 4 Feb 2014 if</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.0/">(license)</a>

terça-feira, 31 de outubro de 2017

QUAL A FINALIDADE DA SUA VIDA?

Essa pergunta só faz sentido para um ser humano. Um animal não tem capacidade intelectual para pensar sobre o sentido da própria vida. Ele vive para comer, dormir e se reproduzir. Nada mais. Já o ser humano, sente um anseio sobre o sentido de sua vida, a razão pela qual existe. Quem não sabe a resposta para essa pergunta ou a responde de maneira equivocada, acaba vivendo de forma muito semelhante aos animais.

Todo batizado deveria ter na ponta da língua a resposta para a finalidade da sua vida: estar, um dia, junto do Pai Criador, no Céu. O grande problema é que muitos cristãos vivem como os pagãos, colocam o sentido de sua vida no dinheiro, no prazer, no poder. Esquecem que o tempo que passarão na terra é muito breve, porém, sua alma é eterna, jamais morrerá e acabam por trocar a felicidade sem fim, por um breve tempo de gozos e alegrias. Jesus mesmo chama essas pessoas de loucos! “Mas Deus lhe disse: Louco! Nesta mesma noite você vai ter que devolver a sua vida. E as coisas que você preparou, para quem vão ficar? Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico para Deus.” (Lc 12, 20-21)

Não há nada mais importante nesse mundo do que cuidar do destino da própria alma e das almas das pessoas que convivem conosco. É certo que precisamos cuidar da nossa subsistência, mas sem preocupações excessivas, pois, de uma hora para outra, a vida acaba e prestaremos conta sobre como gastamos o nosso tempo. Onde ficam os bens que acumulamos, as horas que passamos na frente de uma tela, o cargo que ocupamos, o tempo que gastamos buscando mais dinheiro, mais prazer? Não levaremos nada conosco. Tudo fica para trás.  

A questão é muito simples: você acredita que possui uma alma imortal que tem a possibilidade de passar a eternidade junto de Deus, pois Jesus Cristo te libertou da escravidão do pecado? Se a resposta for positiva, então a pergunta é: o que você está fazendo para que efetivamente sua alma vá para o Céu?

Precisamos estreitar a cada dia o nosso relacionamento com Deus, sermos íntimos dele, perguntar o que podemos fazer para agradá-lo, para retribuir tanto amor que recebemos todos os dias. Afinal, como você quer passar a eternidade com Deus se não o conhece, se não se relaciona com ele enquanto está aqui na terra? Não tem lógica nenhuma passar a vida como se Deus não existisse e depois de morrer querer ter um lugar junto dele no Paraíso.

Hoje infelizmente muitas pessoas querem passar a imagem de um Jesus “light”, que não exige nada, e que é só misericórdia e que todos serão salvos, independente de seus atos. Isso é enganação do inimigo de Deus. A salvação é para todos, mas Deus respeita a nossa liberdade de escolher o que fazemos com nossa vida. Sua divina providência vai procurar oferecer todos os meios para que aceitemos a salvação, mas no fim, depende da vontade de cada um.

Mas então isso significa que aqui só vou sofrer e não posso sentir prazer? Claro que não! Deus fez todos os prazeres desse mundo para aliviar o nosso fardo e para não desanimarmos na luta, mas devemos gozá-los de maneira moderada e não ficar buscando desesperadamente só o prazer pelo prazer, como se a nossa vida se resumisse ao que sentimos aqui.


“Se vocês foram ressuscitados com Cristo, procurem as coisas do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus. Pensem nas coisas do alto e não nas coisas da terra. (...) Façam morrer aquilo que em vocês pertence à terra: fornicação, impureza, paixão, desejos maus e a cobiça de possuir, que é uma idolatria. (...) Agora, porém, abandoem tudo isso: ira, raiva, maldade, maledicência e palavras obscenas, que saem da boca de vocês. Não mintam uns aos outros. (...) Como escolhidos de Deus, santos e amados, vistam-se de sentimentos de compaixão, bondade, humildade, mansidão, paciência. Suportem-se uns aos outros e perdoem-se mutuamente, sempre que tiverem queixa contra alguém. Cada um perdoe o outro, do mesmo modo que o Senhor perdoou vocês. E acima de tudo, vistam-se com o amor, que é o laço da perfeição.” (Colossenses 3, 1-14)

photo credit: ivogelmann <a href="http://www.flickr.com/photos/45231498@N05/36820166076">Cloud - Sky Cloudscape Nature Blue Backgrounds Weather Bright Day Heaven Sky Sky Only No People Outdoors Beauty In Nature</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/">(license)</a>

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

A PUREZA NO SÉCULO XXI

As coisas puras sempre tiveram um grande valor na sociedade: quanto mais pura a água, melhor; quanto mais puro o ouro, maior o valor de mercado; os animais puro sangue são os mais valorizados. A pureza, segundo o dicionário, é a condição daquilo que não tem mistura ou impurezas, ou seja, uma coisa pura é 100% ela mesma.

E quando falamos de uma pessoa pura, de uma alma pura? Por incrível que possa parecer, todos nós gostaríamos de possuir um diamante puro e até faríamos muito esforço para obtê-lo, porém, quando falamos em buscar possuir uma alma pura, quase ninguém está disposto a se sacrificar por isso. A pureza da alma é confundida com ingenuidade, com uma pessoa “boba”, inocente. “Coisa de criança”, que as pessoas adultas e maduras não precisam se preocupar.

Porém, Jesus mesmo nos ensinou: “Felizes os puros de coração, porque verão a Deus” (Mt 5,8). A pureza é uma virtude que deveríamos lutar muito para conseguir, pois o fruto dessa atitude é conseguir ver a Deus. Não apenas ver Deus depois que morrermos, mas quem tem um coração puro consegue ver o agir de Deus em sua vida enquanto está ainda aqui na Terra. Enxerga cada acontecimento como uma saudação de amor do Pai para a sua vida e tem mais clareza de como deve responder a tantas provas de amor. Consegue entender melhor a ação da divina providência no cotidiano, nos acontecimentos da história e reconhece sua presença nas pessoas com as quais encontra e convive.  

A pessoa que busca a pureza é uma pessoa que busca tirar de seu coração tudo aquilo que a impede de ser ela mesma, ou seja, que a impede de ser aquilo que Deus sonhou que ela fosse para realizar sua missão. É uma pessoa que luta, dia a dia, para vencer os seus defeitos e ser uma pessoa melhor.

A pureza também está intimamente ligada com a nossa sexualidade, pois o corpo é o instrumento da alma, não podemos separar um do outro. Só há separação do corpo da alma, quando morremos. Para ter um coração puro, uma alma pura, é necessário que as paixões e instintos que fazem parte do nosso corpo, sejam devidamente ordenados e treinados.

Precisamos treinar nosso olhar e nosso desejo de usar o nosso corpo e o corpo do outro apenas para um prazer egoísta e passageiro. São Paulo nos ensina: “A vontade de Deus é que vivam consagrados a ele, que se afastem da libertinagem, que cada um saiba usar o próprio corpo na santidade e no respeito, sem deixar-se arrastar por paixões libidinosas, como os pagãos que não conhecem a Deus. (...) Deus não nos chamou para a imoralidade, mas para a santidade.” (1Tes 4, 3-5.7)

Vivemos num mundo pagão, onde tudo remete ao uso desordenado de nossa sexualidade. Todos os meios de comunicação apelam para os instintos sexuais, com a finalidade de nos tornar mais animais e assim, mais suscetíveis à manipulação e exploração. Aquele que não controla seus instintos, certamente será um consumidor impulsivo, gastará mais dinheiro para ter um corpo mais “desejável”, mas ao usar e ser usado, sentirá um grande vazio na alma que tentará preencher consumindo mais coisas. E o ciclo está formado.

Portanto precisamos nos libertar dessas influências negativas, tomando muito cuidado com o que deixamos entrar em nossas casas e em nossas almas através da televisão e da internet. Precisamos dizer um grande NÃO a toda imoralidade que tentam passar como se fosse algo natural e bom. Precisamos lutar para trocar de canal, para fechar aquela página da internet, para não comprar aquela revista, para usar uma forma de linguagem mais polida, sem palavrões ou palavras chulas. Como diz Santa Madre Teresa de Calcutá, seremos uma pequena gotinha de água pura em meio a um oceano poluído, mas se cada um lutar para purificar a sua gotinha, um dia o oceano também se purificará.

photo credit: streetphotos <a href="http://www.flickr.com/photos/38471468@N00/3566007126">The Ring</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.0/">(license)</a>


segunda-feira, 2 de outubro de 2017

MEDO DE FILHO

Vivemos em uma sociedade que tem cada vez mais aversão a crianças, chegando agora ao extremo de muitos estabelecimentos, como restaurantes, pousadas e hotéis, não permitirem a entrada dos pequenos, reforçando o estilo de vida “child free”, ou seja, sem filhos.

Infelizmente nossa sociedade hoje não enxerga os filhos como dons, como presentes, mas como um “mal necessário”, como um fardo, como fonte de despesas sem fim. Essa aversão aos filhos também é fruto de uma mentalidade que busca o prazer, mas não aceita suas consequências. É fruto do egoísmo onde o bem estar pessoal está acima do que é o bem comum, o bem da família, o bem da sociedade. 

Todos nós, de alguma forma, estamos contaminados por essa visão antinatalista e precisamos tomar o cuidado de enxergar quando estamos aderindo a essa mentalidade e tentar nos livrar dela. Precisamos nos questionar se usamos a expressão “evitar filhos”, ou “correr o risco de engravidar”, ou ainda se falamos sobre “como é difícil educar os filhos hoje em dia”, “como filho dá despesa”, “não vejo a hora deles crescerem e saírem de casa”.

Como reagimos quando um casal nos comunica uma gravidez? Sempre nos alegramos, ou ficamos pensando “nossa, nestas condições eles não deveriam engravidar...”. Ou, “coitada, está gravida de novo!”, “corajosa, você, hein?!”. Pensamos que ter muitos filhos hoje em dia é coisa de “loucos” ou irresponsáveis? 

Agindo dessa forma acabamos também influenciando nossos próprios filhos. Institivamente, quando são pequenos, o que mais pedem é irmãos, porém, com o passar do tempo, acabam aderindo a essa mentalidade e podem já falar que filho dá despesa, dá trabalho, que não querem ter muitos filhos, ou até nem querem casar. 

Vede, os filhos são um dom de Deus: é uma recompensa o fruto das entranhas.Tais como as flechas nas mãos do guerreiro, assim são os filhos gerados na juventude. Feliz o homem que assim encheu sua aljava: não será confundido quando defender a sua causa contra seus inimigos à porta da cidade (Salmo 127, 3-5)

Não há nada mais sublime do que ser cocriador, com Deus, de almas imortais! Quando Deus nos chama para o matrimônio, está nos chamando para ajudá-lo a povoar o Céu de santos. Precisamos aprender a confiar em sua infinita sabedoria e bondade e saber que ele só enviará os filhos que formos capazes de cuidar e educar. 

Ninguém em sã consciência se negaria a receber um presente valiosíssimo, como um diamante raro, de seu próprio pai. Muito menos não gostaria de receber 4, 5 ou 10 desses diamantes. Se pensamos assim com relação a um bem material, por que nós não pensamos da mesma forma com relação aos filhos, verdadeiros dons preciosíssimos, sendo cada um seres únicos e irrepetíveis, com uma alma que dura para sempre?

Porém não conseguiremos nos imunizar dessa cultura sozinhos. Precisamos entregar essa situação nas mãos de nossa querida Mãe e Rainha para que ela nos eduque e nos ajude a seguir esse caminho da confiança filial. Peçamos a ela uma confiança inabalável na Divina Providência, para que nos libertemos do medo de filho, do medo de nossa fertilidade. Só assim seremos verdadeiramente livres e capazes de influenciar positivamente a nossa cultura.

photo credit: jaci XIII <a href="http://www.flickr.com/photos/34700343@N08/35968250704">What will it be?</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.0/">(license)</a>



quinta-feira, 14 de setembro de 2017

A MODÉSTIA AINDA É NECESSÁRIA?


Vivemos num mundo onde o corpo é supervalorizado e muito exposto, tudo gira em torno da aparência. Homens e mulheres passam horas na academia definindo os músculos, se sacrificam com diferentes tipos de dietas, as clínicas de cirurgias plásticas estão cada vez mais movimentadas, tudo para ter o “corpo perfeito”. E claro, se gastam tanto tempo, energia e dinheiro para ter esse corpo, “precisam” exibi-lo para ser admirado.

Assim, falar em modéstia parece uma coisa ultrapassada, sem sentido, afinal todo mundo quer mostrar o corpo, sem qualquer restrição. Mas enfim, para que serve a modéstia? Qual o problema de “mostrar o que é bonito”?

Bom, a origem do problema vem lá do pecado original. Antes de pecarem, Adão e Eva estavam nus e não havia vergonha e nem necessidade de pudor. Seus instintos estavam perfeitamente ordenados e um olhava para o outro desejando apenas o bem do outro, amar e fazer o outro feliz. Com a desordem causada pelo pecado, a concupiscência entrou na história, e o olhar tornou-se a porta do desejo de usar o outro para seu próprio prazer.

Então, a fim de evitar despertar o desejo no outro de me usar, eu devo cobrir adequadamente o meu corpo, afinal nascemos para amar e sermos amados, e não usar e sermos usados. Quem usa e é usado certamente sente prazer, porém, no fundo, sente um vazio que não consegue explicar, uma sensação de que não serve para nada, que não é amado, que é apenas uma coisa sem valor. E aí entra no ciclo vicioso de procurar cuidar mais do corpo, para aparecer mais bonito, para então ser mais valorizado. Só que o verdadeiro valor não vem de fora, mas sim de dentro, da alma, do que a pessoa realmente é, do que ela pensa, do que ela sente.

Quanto mais se expõe o corpo, mais se esconde a alma. E nossa cultura precisa voltar a valorizar o que realmente é importante: o ser humano integral, corpo, alma, inteligência e afetos. Aqui a mulher tem uma responsabilidade enorme.  

O homem se excita mais com a visão e a mulher se excita mais com a audição. Sabendo disso, a mulher deve cuidar do modo com o qual se veste, para não despertar no homem o desejo de usá-la. Ela pode querer ser admirada (toda mulher tem esse instinto de querer atrair), porém, deve conduzir o olhar do homem para a beleza de sua alma e não apenas para seu corpo. Um conselho muito útil quando a mulher se arruma é se perguntar: com essa roupa vou chamar mais atenção para o meu corpo ou para o que eu tenho a dizer?

É uma questão de amor ao próximo, de caridade mesmo. Usar roupas muito curtas, transparentes, decotadas, mesmo que a mulher não tenha nenhuma intenção errada (e muitas realmente não tem), pode levar um homem a pecar. E seremos responsabilizadas por esse pecado!

O homem, nesse aspecto, precisa aprender a arte de desviar o olhar. É difícil, porque para quase todo lado tem uma mulher mostrando mais do que deve. Mas é preciso tentar, olhar para o outro lado (ou até para cima!), mudar o canal da TV, fechar a página da internet. Quanto mais evitar olhar, mais íntegro, mais puro se tornará. E a pureza atrai.

A modéstia serve para enobrecer, elevar a natureza, realçar a dignidade que todo ser humano tem. Assim, abrange não apenas a forma com que me visto, mas também minhas palavras e gestos, os lugares que frequento, como eu me divirto. Não adianta nada estar elegantemente vestido e quando abre a boca, só usa palavras de baixo calão, sensuais ou grosseiras.

Comportar-se com modéstia não significa que precisamos parecer uma pessoa vinda do século XVIII. A modéstia tem relação com a moda, com a época em que vivemos. Mas precisamos ser capazes de ir contra as modas “anticristãs” e adaptar o modo de vestir de acordo com a cultura onde vivemos. O modo como nos vestimos revela a mensagem que queremos passar para os outros. E a nossa mensagem, como cristãos, deve ser sempre uma mensagem de amor e preocupação com os demais.

Para quem está começando a se interessar por esse tema e procurando se vestir com modéstia, a dica é não desistir, procurar sites de moda modesta para ter uma ideia do que mais combina com você e continuar trilhando esse caminho, apesar das críticas que poderá receber. E saber que o exterior influi no interior e vice-versa: tanto se vestir modestamente torna uma pessoa modesta, como uma pessoa modesta se veste modestamente.

Terminamos com algumas orientações do Pe. Paulo Ricardo sobre esse tema: “Com efeito, o uso das roupas pode ser abusivo ou excessivo de três maneiras, a saber: 1.º) por excessiva solicitude, quando se gasta demasiado tempo, atenção ou dinheiro na procura por roupas e ornamentos elegantes; 2.º) por vaidade, quando se procura tão-somente atrair olhares e a admiração alheia; e 3.º) por lascívia, se o fim desejado é estimular a imaginação e a sensualidade de terceiros. Pode-se pecar também por defeito, e isto de dois modos: 1.º) se, por negligência, despreza-se a ordem e o cuidado devido ao corpo e a decência com que convém seja apresentado às pessoas; e 2.º) por vanglória, se o desalinho e a pobreza das roupas servem de pretexto para simular uma humildade falsa e hipócrita. Todos estes vícios podem ser combatidos se, ao nos vestirmos, tivermos em mente a humildade, a simplicidade e a justa diligência devidas ao cuidado externo, porque, ainda que simples e discretas, nossas roupas têm de ser limpas e minimamente bem cuidadas: "Conserva", recomenda São Francisco de Sales, "um asseio esmerado, Filotéia, e nada permitas em ti rasgado ou desarranjado. É um desprezo das pessoas com quem se convive andar no meio delas com roupas que as podem desgostar; mas guarda-te cuidadosamente das vaidades e afetações, das curiosidades e das modas levianas.”

photo credit: *ry* <a href="http://www.flickr.com/photos/32726536@N05/24130218356">Kate</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.0/">(license)</a>

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Os 4R PARA UM MATRIMONIO FELIZ


No Movimento de Schoenstatt, do qual eu faço parte, falamos dos 4R, que são quatro palavras começadas com a letra “R” que nos ajuda a ter um matrimônio feliz. Essas palavras são: rezar, reencantar, revisar e renovar. Vamos analisar cada uma delas.

1º R: REZAR – TODOS OS DIAS
Rezar é falar com Deus, como se fala com uma pessoa que amamos, com a qual gostamos de partilhar a nossa vida, tudo o que aconteceu conosco, de bom e de ruim. Como Pai, Deus pode sempre o auxiliar e Ele espera que solicite este auxílio através da oração. Cada um é convidado a estar sempre ligado com Deus através de suas orações.

Precisamos ter a consciência de que quando rezamos juntos, como casal, como família, Jesus está presente no nosso meio e essa presença de Cristo é fundamental para manter a harmonia e a união em nosso lar.

Através da oração, os filhos são educados e formados. Assim, os pais, devem tornar a oração algo que faz parte do cotidiano da família e com ela encontrar forças para lutar contra tudo aquilo que vem para os afastar da própria oração e consequentemente da vida em Deus.

O primeiro passo é querer rezar, ou seja, decidir que a oração em família é um bem a ser conquistado e colocar todos os nossos esforços para tornar a oração em família uma realidade.

Rezar junto se aprende rezando. É preciso criar o hábito da oração em comum e o hábito se cria através da repetição dos atos. No início, pode ser um pouco difícil, ficamos desconfortáveis, mas se permanecemos fiéis ao propósito de rezar juntos, logo o hábito se instalará e não será mais tão difícil se reunirem para falar com Deus.

A sugestão é escolher um determinado horário para rezar junto e também ser em um local da casa propício para a oração, com um crucifixo ou imagem de Nossa Senhora. Podem também estabelecer um pequeno rito de como seguirá a oração para facilitar. Cada casal deve encontrar seu próprio estilo, sua forma de rezar. Devemos pedir ao Espírito Santo sua graça de conseguir estabelecer este hábito em nossa família.

2º R: REENCANTAR - CADA SEMANA

Encantar significa maravilhar, agradar extremamente, cativar, provocar irresistível admiração, causar satisfação. Quando estamos apaixonados, ficamos encantados pelo outro, criamos um vínculo de amor e que após que após o sacramento do matrimônio é santificado e abençoado por Deus.

A rotina muitas vezes ofusca este encantamento e o que se vê é que, por falta de cuidado dos cônjuges, o encantamento vai embora e o lar é destruído. Deixam que as pequenas decepções com o outro acabem tomando grandes proporções e passam a enxergar apenas o lado negativo, se esquecendo de tudo de bom que viu nesta pessoa quando se apaixonou.

O que acontece é que se acomodaram. Pararam de se preocupar em agradar o outro, em conquistá-lo a cada dia. Se lembrarem do tempo de namoro, quantas coisas não faziam para chamar a atenção do outro, para ligá-lo ao seu coração?

Desta forma é preciso reencantar seu amor. Não se pode deixar passar uma semana sem se preocupar, de alguma forma, em fazer um agrado “extra” ao seu cônjuge. É preciso criar um momento para que isto aconteça. Uma vez por semana, marcarem um “encontro” com o outro, com dia e hora determinados. Neste encontro irão lançar um olhar sobre tudo o que já lhes aconteceu, principalmente suas alegrias, os momentos bons que passaram juntos e assim, reacender a chama do primeiro amor.

Cada um sabe do que o outro gosta: um passeio no parque, um jantar especial, ou simplesmente ficar sentados um ao lado do outro admirando a natureza... Não precisa sempre sair de casa, podem ter um momento especial na sala de estar ou no quarto, depois que as crianças já foram dormir. O importante é ficar juntos, por algum tempo, se preocupando em reencantar o outro.

Reencantar é presentear o outro com aquele sorriso, aquele olhar, aquelas palavras, aqueles momentos tão belos e importantes para aqueles que desejam passar juntos o resto de suas vidas. 

3º R: REVISAR - CADA MÊS

Revisar é olhar novamente, verificar as condições, se tudo está em ordem, se falta alguma coisa, enfim é analisar minuciosamente a situação. A revisão do relacionamento precisa ser periódica, de preferência mensal. Nela o casal irá analisar como está sua vida de oração, se estão fazendo algo concreto para reencantar o amor, verificar se estão seguindo os planos feitos no início do matrimônio, se precisa de algum ajuste, de alguma mudança.

É tempo também de saborear os frutos de todos os esforços, de todas as lágrimas, de todos os medos que passaram durante o mês. Devem se perguntar também o que cada um pode contribuir para a felicidade da família.

Na revisão encontramos tesouros, pérolas, que às vezes ficam escondidas e precisam ser reconhecidas para redescobrir o valor do outro.  Na correria diária, deixam passar muitas coisas que precisam ser elaboradas e digeridas para o amadurecimento e crescimento do amor.

Portanto, uma vez por mês devem reservar um tempo, talvez uma manhã ou uma tarde, para rever juntos os acontecimentos que marcaram as suas vidas e a vida de seus filhos. É de suma importância contemplar cada acontecimento para não se deparar, um dia, com situações mal resolvidas que possam bloquear a passagem da alegria na sua vida e na vida de sua família.

Isto deve ser feito sempre a luz da fé prática na Divina Providência, perguntando sempre o que Deus está querendo lhes dizer, lhes mostrar com estes acontecimentos. E como devem responder a este chamado de Deus, o que Ele espera de cada um, da sua família. Sempre deixar nas mãos de Deus as grandes e pequenas decisões do dia a dia, na certeza de que Ele é Pai, é bom e bom é tudo o que Ele faz. 

4o R: RENOVAR - CADA ANO

Renovar significa tornar novo, dar nova aparência, revigorar, reafirmar, por novamente em vigor. No relacionamento muitas vezes sentimos o cansaço da caminhada, dias, semanas e até meses muito difíceis. Então, é preciso parar, procurar um oásis para refazer as forças, brincar, se divertir e até mesmo, quando possível, conhecer novos lugares. É o tempo de renovar, de sair de férias.

As férias são um momento privilegiado para partilhar em família, se aprofundar no conhecimento mútuo principalmente dos filhos, passar o dia todo juntos por um certo período, saindo da rotina.

É preciso aproveitar estes momentos de férias para se aproximar do cônjuge, dos filhos, pois durante o ano muitas vezes o excesso de trabalho prejudicou a intimidade e o relacionamento familiar.

Para as crianças, esta convivência mais intensa com os pais podem ser momentos agradáveis guardados para o resto de suas vidas. Não precisa ser nenhum passeio extravagante ou atividade muito cara, basta usar a imaginação e criar atividades divertidas com as crianças, como andar de bicicleta, explorar o jardim, ir ao clube, fazer brinquedos com lixo reciclável, tudo isso podem ser ótimos programas para os filhos.

As férias devem ser também um tempo para Deus. Podem aproveitar este tempo de descanso para talvez fazer algum retiro espiritual, um encontro para casais e perguntar para Deus, através da oração, se estão cumprindo a Sua vontade, se sua família está no caminho traçado por Ele para a sua felicidade.


Renovar o relacionamento é também um processo que se inicia a partir do interior e é preciso se disponibilizar para fazer ali, também pequenos reparos, resolver pequenas questões que podem causar grandes danos aos relacionamentos, aproveitando as férias da rotina. É ainda um processo que fará nascer novos projetos aperfeiçoados, onde a esperança, a alegria e o amor são as palavras chaves.

photo credit: smolarek.janusz <a href="http://www.flickr.com/photos/125415920@N08/22834229942">Dorota & Konrad</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.0/">(license)</a>

sábado, 19 de agosto de 2017

A IGREJA EM MINIATURA


Sabemos que a Igreja considera a família uma “Igreja doméstica” e como tal, nossa família forma uma comunidade de cristãos. Como os primeiros cristãos, nos reunimos em nosso lar para louvar a Deus e suportar-nos mutuamente. Somos uma igreja em miniatura e como tal devemos lutar para incorporar as tradições e práticas da Fé em nossa vida diária.

É muito importante ter em nosso lar um local apropriado para a oração, com um crucifixo, a imagem de Nossa Senhora ou algum santo de nossa devoção. Pode haver também um local para colocar a Bíblia e uma vela, um vaso de flor. É lá que nossa família se reunirá para louvar a Deus, fazer nossos pedidos, agradecer as graças recebidas. Cabe a nós, esposos, tornar esse “cantinho” de nossa casa um lugar verdadeiramente sagrado, que comunica Deus e o mundo sobrenatural a todos, principalmente a nossos filhos.

Várias são as formas de tornar mais “ativo” esse pequeno oratório. Usar toalhinhas com as cores litúrgicas, preparar a manjedoura para o Menino Jesus no advento com bolinhas de algodão representando nossas orações e sacrifícios, “amaciar” uma coroa de espinhos durante a quaresma, colocando algodão em cada “espinho”, etc. Podemos também acompanhar o tempo litúrgico ou as festas de santos com novenas.

A leitura da Bíblia é uma maneira excelente de nutrir a nossa fé e aumentar nosso conhecimento sobre a Palavra de Deus. As crianças do ensino fundamental já podem ser iniciadas na lectio divina (leitura orante da Bíblia) um pouco adaptada, para ajuda-los a se familiarizarem com a Bíblia. A dinâmica é a seguinte: uma vez por semana podem se reunir nesse local de oração e uma delas escolhe um trecho da Bíblia para ler em voz alta. Pode ser a leitura do Evangelho do Dia ou outra passagem aleatória (começando pelo Novo Testamento). Antes da leitura, pode ser feita uma pequena oração ao Espírito Santo e depois deixem alguns minutos para conversar sobre o que foi lido. Podem tentar imaginar a cena do que foi lido perguntando: “Quem estava lá?”, “O que eles estavam fazendo?” ou “Que tipo de expressão eles tinham em seus rostos?” Depois, podem perguntar algo mais profundo, como “O que você acha que Jesus quis dizer com o que ele falou ou fez?”, “Como você se sente com isso?” ou “Como podemos aplicar isso em nossas vidas?” Encerrar com um pequeno agradecimento por esse momento de partilha em família.

Para aqueles com crianças pequenas ou que queiram iniciar a prática da leitura bíblica aos poucos, a sugestão é começar pela leitura do Evangelho dominical, de preferência no sábado à noite, em preparação para a missa do domingo. Caso não seja possível, até mesmo a leitura do Evangelho, no carro, indo para a missa, já pode ser um começo. A ideia de ler antes é para que quando a leitura for feita na missa, as palavras já tenham penetrado um pouco mais em nossos corações.

Para refletir:
1. Rezamos uns pelos outros regularmente? Se não, como podemos começar? De que maneira prática podemos ser lembrados de rezarmos um pelo outro?
2. A leitura da Bíblia é parte de nossa vida? Se não é, como podemos incorporá-la em nosso dia a dia?
3. Quais as práticas que utilizamos para vitalizar nosso cantinho de oração? Quais ainda faltam? O que podemos fazer para torna-lo cada vez mais o centro espiritual de nosso lar?